Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.
Pristina.org // Arte // Como Walead Beshty usa da FedEx para criar sua arte conceitual

Como Walead Beshty usa da FedEx para criar sua arte conceitual

  • Arte

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Assim quaisquer fissuras, rachaduras e quebras no vidro passam a ser parte da obra que vai ser exposta. O que dá uma perspectiva similar ao que Duchamp fez com seus objetos prontos, mas de uma forma diferente já que quem cria a arte junto de Walead Beshty é uma corporação gigante que nem sabe direito o que está acontecendo. Foi isso que me chamou a atenção nessas obras.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

De acordo com uma entrevista com o artista que eu acabei lendo antes de escrever esse artigo, Walead Beshty resolveu usar da FedEx para transportar suas caixas de vidro devido aos tamanhos proprietários de caixa da empresa. Existe algo chamada dimensão corporativa dessas caixas e elas seguem algo que se chama de código SSCC, que pode ser traduzido como código de contêiner de remessa serial. Esse código regulamenta as dimensões das caixas oficiais da FedEx de forma exclusiva. Ou seja, esse lado proprietário acaba adicionando uma certa ressonância corporativa a todas as obras.

Afinal, cada trabalho exibido foi criado por Walead Beshty junto com a FedEx. Talvez, o artista poderia ser considerado como o iniciador do projeto, mas quem acaba finalizando tudo é um sistema de transporte criado por uma grande corporação multinacional. E ela faz isso tudo sem nem saber. O que deixa todo esse processo ainda mais interessante para mim.

Esse sistema de produção acaba diferenciando o trabalho de Walead Beshty do que Marcel Duchamp fez com suas esculturas prontas. Aqui ele usa de sistemas pré-existentes para criar suas obras de forma indireta. Adotando assim a apropriação indireta para produção artística.

Outro ponto que eu acho interessante nas obras de Walead Beshty é como a FedEx não sabe que suas esculturas de vidro estão usando de seus sistemas de transporte e distribuição. A FedEx trata os objetos do artista da mesma forma com a qual a empresa trata as outras entregas. E, a cada vez que a obra é enviada para um lugar diferente, ela passa por mais uma transformação material.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Foi em 2007 que o artista Walead Beshty começou a usar da infraestrutura de entregas da FedEx para criar uma série de obras de arte inusitadas. Para isso, ele constrói objetos de vidro que cabem perfeitamente nas caixas de remessa da FedEx e, depois, ele envia essas caixas sem qualquer proteção para museus e galerias de arte onde elas serão expostas.

Para saber mais sobre o trabalho artístico de Walead Beshty, você só precisa clicar no link abaixo.

Como Walead Beshty usa da FedEx para criar sua arte feita de vidro

Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.