Pristina.org - Everything Design since 2005

Chove – um livro de Henrique Martins Design GráficoFelipe Tofani on 05/01/2016

Um livro que mostra como podemos usar da chuva como narrativa visual
As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

A chuva é o conteúdo, o tema e a estrutura que define cada uma das imagens que você pode ver abaixo. O vento, a luz, o toque, o som, a memória; essas são as referências usadas para construir as formas e os sinais gráficos que emulam algo próximo de partituras de chuva. Tudo isso com a intenção de explorar a associação de imagens com o que sentimos. Chove é sobre isso. É sobre chuva mas é algo muito maior.

Tão grande que acabou virando um livro em dois volumes. O primeiro, chamado de Narrativa, é essencialmente gráfico e conta histórias de chuva com uma linguagem sintética. Aqui os elementos do código visual são apresentados aos poucos e vão sendo arranjados, inicialmente, em composições simples. Se tornando mais complexas com o passar na narrativa.

Chove de Henrique Martins

O segundo volume tem o nome de Processos e é feito de páginas cinzas que representam o desenvolvimento conceitual do trabalho. Ali você pode ver estudos, anotações, referências, conceitos visuais e métodos de trabalho empregados durante todas as etapas do projeto. Combinados, os dois volumes têm cadernos com costuras expostas que permitem a abertura completa de suas páginas, possibilitando a melhor apresentação das imagens.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

Gosto de pensar no meu trabalho como a construção visual de ideias, seja através de uma imagem, uma marca, um filme, um site, um objeto, um lugar, um livro. Cada projeto dá acesso a um universo potencialmente novo de informações. A leitura e análise rigorosa destas informações permite a construção de uma base conceitual sólida para a produção de respostas, de soluções.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

As imagens que você pode ver nesse artigo são do livro de Henrique Martins chamado Chove. Livro esse que foi desenvolvido com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba –, com incentivo da Caixa Econômica Federal. Publicado no início de outubro de 2015, como o título diz, esse é um livro sobre a chuva. Um livro que mostra como superamos dias chuvosos, como eles despertam nossos sentidos e como podemos usar da chuva como narrativa visual.

Henrique Martins tem atuado na concepção e desenvolvimento de projetos na área cultural, buscando criar situações limítrofes, permeadas pela racionalidade e objetividade do design, e pela expressividade – algo de lírico, algo de lúdico –, muito própria das artes visuais. E você pode ver muito disso direto no seu portfólio.

Se você estiver em Curitiba de 08 de outubro de 2015 a 21 de fevereiro de 2016, dê uma passada no Museu da Gravura, no Solar do Barão. Lá você vai poder ver a exposição chove, de Henrique Martins, que contam um pouco da história do livro e da chuva. Ah, o livro Chove pode ser comprado por R$60 reais direto no site do livro.

Chove – um livro de Henrique Martins

Comentários

Powered by Facebook Comments

Tagged: , , , , , , , , , , , ,