Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.
Pristina.org // Design // Uma Entrevista com {ths} aka Thomas Schostok

Uma Entrevista com {ths} aka Thomas Schostok

Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.

Sou fã de seu trabalho e da sua estética particular há muitos anos e considero que as imagens que ele criou marcaram muito daquilo que eu faço hoje em dia. Uma grande referência visual para mim. Há alguns meses, entrei em contato com o artista sobre a possibilidade de uma entrevista.

Eu vinha observando que ele estava lançando diferentes trabalhos como o livro REIHEN e a Plastikcomb Magazine. Pensando nisso, organizei alguns tópicos que queria saber mais sobre e mandei as perguntas para {ths} aka Thomas Schostok.

Abaixo, você pode dar uma lida na entrevista com Thomas Schostok.

Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.

1. Conheci seu trabalho pela primeira vez através da Beast Magazine no início dos anos 2000, quando um amigo o compartilhou comigo, chamando-o de “anti-design”. Como você se sente em relação ao trabalho que fez na época? Você consegue ver algo assim funcionando hoje, ou acha que foi um produto de seu tempo?

Acho que não, na verdade. Recentemente, li todas as edições da BEAST Magazine. Não devo ter olhado para elas por mais de 10 anos. Claro, nem tudo foi bom e eu não faria as representações pornográficas nele hoje porque o assunto está esgotado para mim, mas honestamente, eu estava muito animado com isso, haha.

A ideia da BEAST, que foi a de reunir vários artistas e criar arte em torno de um tema, não acho mais nada de especial. Houve e há bastante projetos como esse nas redes sociais (digital) e revistas (analógicas) como 46pgs ou Plastikcomb Mag vão em uma direção semelhante.

Mas, na minha opinião, o “anti-design” ainda funciona. O panorama da mídia mudou significativamente. Em minha estimativa, o número de designers que trabalham com mídia digital é significativamente maior do que o número de designers que trabalham com impressão há 20 anos. Infelizmente, não mudou muito em termos de estilo.

Pelo contrário, os sites ficam cada vez mais parecidos quando visualizados em dispositivos móveis. Acho que o desejo por algo diferente dessa tendência é bastante grande entre os designers. Mas posso estar errado e todo mundo sempre quer aquele design chato porque sua vida chata é o suficiente para eles, hahaha.

2. Sempre que vejo suas ilustrações e colagens, uma coisa que sempre me passa pela cabeça é quantas pistas visuais e referências você usa em seu trabalho. Se você tivesse que listar, quais e quem seriam suas referências mais importantes?

Isso é algo que me perguntam o tempo todo. Eu costumava listar todos os tipos de coisas, mas a lista seria muito longa e grande parte dela não pode ser entendida sem ter vivido minha vida. No entanto, tenho uma referência definitiva a tudo o que foi criado e aconteceu nos anos 50 e 60.

Música, cinema, política, impressos da época, tudo. Também acho esse momento muito interessante visualmente. A linguagem era muito simples e grosseira, muito diferente de hoje onde tudo é complicado. O filme e a impressão também eram de baixa qualidade devido às ferramentas simples. Da perspectiva de hoje, quase parece que tudo foi feito de forma irônica.

Ainda não consigo me separar daquela época. Mas é muito mais importante tentar absorver tudo o que for possível. Cada pequeno absurdo, cada tópico enfadonho pode ser inspirador e servir de referência.

Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.
Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.

3. Seu trabalho é bastante experimental e posso imaginar que algumas pessoas possam vê-lo com confusão nos olhos. Como você divide o trabalho comercial do trabalho experimental pelo qual é conhecido?

Sim, é sempre assim. Eu sempre pergunto, por que o oposto do comercial é experimental? A questão é que meu trabalho “experimental” não é experimental de forma alguma. Eu não experimento nada. Eu sei exatamente o que estou fazendo e o que sai disso. Meu trabalho é sempre um processo e é bastante ordenado. Não uso drogas e depois crio uma obra de arte ou um design. Os clientes sempre dizem “isso é experimental”, mas isso é besteira.

É um estilo, assim como Bauhaus ou design plano é um estilo. Comigo, é realmente assim, que existem clientes que me pedem para criar um design “limpo”, “normal” para alguma coisa. Eu faço isso então. Depois, há clientes que querem exatamente o meu estilo. Felizmente, agora é fácil separar os dois, então não há mal-entendido.

Aliás, também há clientes que gostam do meu estilo “experimental” – mas – por isso – querem apenas um design comercial. Não faço ideia se essa história pode ser bem contada em um almoço. “Pedimos a este artista maluco que desenhasse um site normal para nós”.

4. Como você combina seu estilo com a demanda do cliente? E como você lida com clientes que lhe dizem para moderar seu estilo?

Quanto mais velho você fica, mais você não liga, haha. Mas, ao longo dos anos, você também adquiriu certa experiência e know-how para avaliar o cliente. Na maioria das vezes, sempre vou um pouco mais longe do que o cliente realmente deseja. Mas isso é intencional porque sou da opinião de que sempre tenho que dar o melhor. Você deve estar ciente de que na maioria dos casos isso é demais e que deve ser reduzido posteriormente.

Mas está tudo bem para mim. A única vez que tenho problemas é quando o cliente aceita diretamente, sem correções. Então me pergunto se não dei o melhor.

5. Visto que sua arte tem um estilo visual tão característico, você já se sentiu limitado pelo trabalho que fez antes?

Teve uma fase em que pintei bem os quadros. Durante esse tempo, não criei praticamente nenhuma colagem, mas com pincéis, elementos do tipo colagem, como digitação, etc. aplicados com tinta acrílica. Apesar do sucesso – foram vendidas todas as fotos – achei muito insatisfatório porque as correções são muito difíceis de fazer e as proporções dos vários elementos não me eram satisfatórias.

Existem artistas que podem pintar perfeitamente nos detalhes e geralmente têm de antemão exatamente um plano de como algo ficará – infelizmente não sou nenhum deles. Meus trabalhos “se desenvolvem” enquanto estou trabalhando neles. Quando começo uma nova pintura, geralmente nunca sei o que vai sair no final.

Freqüentemente, só tenho um pequeno elemento que quero colocar no papel ou na tela, uma palavra ou um pequeno motivo, ou algo assim, e tudo o mais evolui então. Às vezes, isso também é removido durante o trabalho porque não cabe mais. Nesse aspecto, trabalhar com pincel era um processo muito exaustivo para mim e, portanto, trazia limitações. Trabalhar em uma colagem é mais satisfatório porque posso colar elementos e motivos ou removê-los da tela novamente.

Trabalho relativamente rápido e percebi que criar arte em um nível puramente digital se tornou ainda mais satisfatório para mim do que colagens analógicas, pois posso alterar todos os detalhes de uma obra de arte novamente a qualquer momento. Tirando o cheiro de tinta acrílica, não sinto falta de nada, me sinto muito confortável fazendo isso.

Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.
Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.

6. Há alguns anos vi uma exposição com o seu trabalho no Museu Computerspiele, aqui em Berlim, e foi a primeira vez que me deparei com o aspecto físico do seu trabalho. Até aquele momento, eu acreditava que suas colagens e obras de arte eram principalmente digitais. Eu estava errado. Como você vê o uso de ferramentas analógicas em seu trabalho?

Essas ferramentas são realmente apenas um meio para um fim para mim. Eu realmente só quero que as coisas se pareçam com as que usei. Claro, posso fazer isso digitalmente rapidamente, mas sinto falta do inesperado, do aleatório. No passado, primeiro criei obras de arte digitais completas, depois as imprimi, recortei e coloquei de volta na tela como uma colagem. Um processo digital do analógico. Isso foi feito principalmente porque não parecia artístico o suficiente para mim simplesmente imprimir uma obra de arte criada digitalmente. Afinal, a obra de arte deveria ser original, certo?

Hoje em dia, eu vejo isso de forma um pouco diferente. Na cena clássica da galeria, uma obra de arte precisa ser original, ou, na pior das hipóteses, uma serigrafia para ser aceita. Mas isso é por causa da cena estranha do público clássico da galeria. Não estou falando das galerias pequenas e legais que são dirigidas por pessoas de coração e alma, mas das grandes galerias de arte estabelecidas, onde o público em um vernissage não está lá por causa da arte, mas apenas para “ser visto” – e claro por causa do champanhe.

7. Como você publica seu trabalho online há algum tempo, posso imaginar que você esteja ciente das tendências de design online e tenha visto algumas delas irem e virem com o tempo. Como você se sente em relação às tendências de design e elas afetam o seu trabalho de alguma forma? Seja quando se trata de cores ou de qualquer outra coisa.

Sim, claro, tudo o influencia de alguma forma. Mas me influencia mais no sentido de que procuro não seguir tendências. A cor do ano é marrom? Super! Na verdade, faço o que fiz há 20 anos. Sempre há desvios e desenvolvimentos, isso é normal, mas não uso Helvetica só porque é uma tendência ruim em Berlim agora. As tendências são sempre ruins porque são consideradas obsoletas amanhã.

Já falei sobre a Helvetica em uma edição da BEAST, por volta de 2002. Como podemos ver, tudo está se repetindo constantemente, ou melhor, mudando. Na verdade, não existem tendências porque tudo já existiu e existe ao mesmo tempo. Uma tendência é sempre apenas uma bolha do mesmo conteúdo concentrada em centros de todo o mundo. O que não é tendência no momento, no entanto, continua existindo. Seguir uma tendência sempre significa não pensar fora da caixa.

8. Comprei o seu livro Hard Blow há um tempo e, por algum tempo, este foi o único livro físico que pude encontrar de você. Eu posso ver que você publicou mais no ano passado ou assim, incluindo Reihen, Plastic Comb e Soft Suck. Este é um impulso produtivo da pandemia COVID-19? E como a pandemia afetou sua produção criativa?

Fui um dos sortudos em que a pandemia quase não teve efeito algum. A produção criativa ultimamente pode ser atribuída ao fato de que percebi que é o trabalho de arte que me entusiasma, não a venda de arte física em tela ou papel. Este último é apenas um subproduto.

Crio muito pouca arte nova ao longo do ano. Na verdade, também não gosto mais de trabalhar nesse tipo de coisa. Sempre vendi minha arte internacionalmente porque nunca gostei muito de ser representada por uma galeria. No entanto, se você vende por conta própria, o envio internacional é um procedimento muito caro para grandes formatos, que nem todo comprador está disposto a pagar. Além do fato de que é muito pragmático vender arte em livros para evitar o problema do envio. Acho a ideia de criar arte especialmente para um livro e depois vendê-la como arte fascinante. Sempre me interessei por massa.

Em cada página de um livro, uma nova obra de arte que não existia antes? Eu amo essa ideia. Mas os livros são um pouco mais caros porque não são impressos em grande número e são arte em si.

Tive a grande sorte de conhecer Aaron Beebe, que me convidou para participar da Revista Plastikcomb. Isso levou a outra colaboração no livro REIHEN, que é 50% colagens dele e minhas, criadas especialmente para o livro. Foi aí que pensei que tudo estava evoluindo, mas o artista parecia estar sempre vivendo a mesma vida. Financeiramente, pode ser um revés para um artista não mais vender pinturas grandes e caras, mas apenas livros de artista. O público é diferente e é difícil vender um livro por várias centenas de euros.

No entanto, a facilidade de criar arte exclusivamente para um livro e a satisfação que vem de trabalhar nele não podem ser comparadas a nada mais que eu fiz. Isso é mais importante para mim. Atualmente estou trabalhando em projetos de novos livros a serem lançados a tempo.

Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.
Há mais de vinte anos, Thomas Schostok trabalha na fronteira do design gráfico e da arte. Também conhecido como {ths}, ele trabalha de seu estúdio em Essen, na Alemanha, criando imagens poderosas, com um visual sujo e que capturaram a atenção de muitos pelo mundo afora.


Para conhecer mais sobre o trabalho de Thomas Schostok, você só precisa clicar aqui. Se seu interesse é na tipografia que ele cria, você precisa visitar o Cape Arcona Type Foundry. Além disso, você pode contratar seu trabalho como designer visitando o site do seu estúdio.


Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.