Skip to content
As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.
Pristina.org // Fotografia // Se as luzes se apagarem em Guantánamo nas fotografias de Edmund Clark

Se as luzes se apagarem em Guantánamo nas fotografias de Edmund Clark

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.


As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

As pessoas presas em Guantánamo foram rotuladas de o pior dos piores, porém, a maioria desses homens não era culpada de nada mais do que de estar no lugar errado, na hora errada. Muitos deles foram vítimas da política militar dos Estados Unidos de pagar recompensas em dinheiro para qualquer informação dada sobre quem poderia ter participado dos atentados de 11/9.

Assim, muitos “suspeitos” acabaram se tornando moeda para líderes de aldeia, guardas de fronteira e policiais corruptos. Essa foi a primeira onda da Guerra ao Terror.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

A base naval norte-americana de Guantánamo fica em Cuba e abrigou centenas de homens detidos após os ataques de 11 de setembro de 2001. As fotos que você pode ver aqui foram feitas por Edmund Clark e documentam um lado diferente dessa base militar.

Essas pessoas foram mantidas em um limbo jurídico por anos e repetidamente interrogados. Quase todos foram libertos sem uma acusação forma, e poucos foram julgados por comissões especiais criadas para esse fim.

As fotografias de Edmund Clark aqui apresentam diferentes noções de lar reunidas em uma narrativa visual inquietante. Essa narrativa evoca o processo de desorientação das técnicas de interrogação e encarceramento usadas em Guantánamo. Algo que pode ser muito bem visto na falta de naturalidade de todas as fotos aqui. São ambientes criados para emitir uma sensação de conforto mas onde nada confortável pode existir.
As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.

As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.

As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.

As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.

As fotografias feitas por Edmund Clark entre 2009 e 2010 receberam o nome de Guantanamo: If the Light Goes Out e ilustram três diferentes experiências. A base naval de Guantánamo que é a sede da comunidade americana, o complexo de campos de prisioneiros e as casas dos ex-detentos que nunca foram acusados de um crime, mas que não podem sair da ilha e da base militar.
Para saber mais sobre o projeto, você só precisa clicar no link abaixo.

Se as luzes se apagarem em Guantánamo nas fotografias de Edmund Clark

Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.