Pristina.org // Fotografia // Susan Meiselas fotografou a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza na Nicarágua

Susan Meiselas fotografou a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza na Nicarágua

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

O que ela capturou com suas lentes foi algo que o mundo não estava vendo e que muita gente não acreditava que estava vendo. Ela retratou uma Nicarágua em ponto de ebulição, como uma revolução popular que estava removendo do poder um presidente impopular e corrupto. Suas fotografias capturaram o povo local como nunca e com um olhar diferente dos fotógrafos de guerra que estavam no país.

Por isso mesmo que as fotos de Susan Meiselas são tão importantes. Sua perspectiva, sua emoção e sua luta para mostrar o que acontecia nesse país centro americano é o que difereciam suas fotos do que estava sendo exibido na época na mídia global.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

Susan Meiselas passou 6 semanas na Nicarágua entre 1978 e 1979, durante a revolução popular que tirou do poder o Regime Somoza. Suas fotografias tentavam registrar o que o povo estava sentindo e não um amplo retrato dos eventos. Como ela não é uma fotógrafa de guerra e não havia ido para a Nicarágua com essa ideia, suas fotos acabaram mostrando muito mais do que a revolução e por isso suas fotos são tão estimadas.

A Nicarágua de Susan Meiselas

Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter, acompanhar nosso tumblr ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.