É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.
Pristina.org // Fotografia // Fotografando os últimos estágios da Demência com os suecos do Aorta

Fotografando os últimos estágios da Demência com os suecos do Aorta

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

Não sei direito de onde veio a ideia de fotografar alguns senhores e senhoras suecos nos últimos estágios da demência mas essa ideia foi colocado em prática pela dupla de fotógrafos conhecidos como AORTA. Tudo começou para Marco Grizelj e Kristian Krän em 1996 quando resolveram criar a AORTA como forma de colaborarem juntos e posicionar o trabalho de forma cooperativa.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

Portraits of old Swedish people with dementia in last stage hospice.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

É um pouco estranho observar os retratos que a dupla de fotográfos suecos AORTA fez do que parecem ser os últimos estágios da demência. Não sei se o que eu estranhei foram as expressões faciais ou se foram os olhares vazios mas as fotos que você pode ver aqui não são das mais fáceis de observar. Mesmo com toda a distância presente entre os fotografados e nós observando seus retratos, é difícil se sentir distante dessas pessoas que já não são mais quem elas foram um dia. Especialmente para quem já passou por isso na própria família.

Se você gostou das fotos aqui, você pode ver mais trabalhos fotográficos de Marco Grizelj e Kristian Krän direto no portfólio deles ou nos seus perfis nas redes sociais como behance.

Fotografando os últimos estágios da Demência com os suecos do Aorta

Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter, acompanhar nosso tumblr ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.